Home / Notícias

Notícias

6 Cidades Referência em Mobilidade Urbana Sustentável

6 Cidades Referência em Mobilidade Urbana Sustentável

Vivemos em constante crescimento populacional. De acordo com o último relatório da ONU (2019), a população mundial é de 7,7 bilhões de pessoas e a estimativa é que esse número chegue a 10 bilhões em 2050. Por isso, um dos grandes desafios globais não é só a mobilidade urbana, mas a mobilidade urbana sustentável. O trânsito de grandes metrópoles como São Paulo, Nova Iorque e Nova Délhi, estão prestes a colapsar devido a quantidade cada dia maior de automóveis.

A mobilidade sustentável busca meios alternativos para os habitantes de uma cidade se locomoverem de forma mais eficiente. Transportes coletivos, como Metrôs e Ônibus, e o incentivo ao uso de veículos elétricos, como bicicletas e patinetes, são meios de diminuir a dependência do carro e com isso reduzir o trânsito e a poluição emitida por eles.

Apesar de complicado, o desafio não é impossível! Veja aqui alguns exemplos de cidades, inclusive aqui no Brasil, que aos poucos vão nos ensinando como lidar com esse problema.

1. Amsterdam

A cidade holandesa hoje é uma referência quando pensamos em sustentabilidade e locomoção. O plano de mobilidade urbana de Amsterdã dá prioridade aos pedestres e ciclistas, especialmente nas regiões centrais. Por conta disso, atualmente a capital conta com 880 000 bicicletas para 800 000 habitantes, tornando-se a cidade com maior porcentagem de bicicletas por habitante no mundo!

Além das bicicletas, em Amsterdã você consegue facilmente se locomover por outros meios de transporte mais sustentáveis, como barcos, trens, bondes elétricos, ferries (que também comportam bicicletas) e os comboios de alta velocidade, que possibilitam viagens rápidas para outras metrópoles do continente europeu como Paris e Bruxelas.

2. Copenhague

A capital da Dinamarca é considerada a melhor cidade do mundo para quem utiliza bicicleta como principal meio de transporte, não atoa, 50% dos habitantes de Copenhague usa apenas a “bike” para as viagens diárias. Além das ciclovias exclusivas espalhadas por toda cidade, a metrópole conta também com sinais de tráfego inteligentes, que conseguem identificar a aproximação de veículos na rodovia, sejam eles bicicletas, carros ou ônibus. 

O incentivo na utilização das bicicletas não é só feito para agradar o cidadão comum, grande parte dos governadores da cidade se locomovem exclusivamente por elas. O último estudo aponta que 63% dos membros do parlamento dinamarquês usam bicicletas ou patinetes para se deslocar diariamente.

3. Berlim

Berlim é uma das cidades com maior diversidade de modais disponíveis para locomoção no mundo. A capital alemã possui uma política pública voltada para o planejamento das vias para bicicleta, transportes coletivos e pedestres, o que ajudam a transformar a cidade em uma referência em mobilidade urbana. No município já foram construídos mais de 1200 km de ciclovias, e para nível de comparação, São Paulo, que possui quatro vezes mais habitantes que Berlim, conta com 680 km de malha cicloviária. Além disso, a preferência por transportes públicos cresceu mais de 20% nos últimos 10 anos e já possui média superior a 1 bilhão de passageiros por ano.

Outra importante iniciativa sustentável, são os projetos de veículos elétricos. Desde 2012, Berlim conta com 500 estações de carga de energia para os mais de 8 mil carros elétricos.

4. Zurique

A cidade mais populosa da Suíça é principalmente reconhecida pela sua eficiência no transporte público. Zurique pode ser facilmente percorrida por ônibus ou trams, uma espécie de bonde sobre trilhos, e você não consegue percorrer mais de 300 metros sem encontrar um ponto de ônibus ou de tram em Zurique. Para tornar a cidade ainda mais sustentável, o governo suíço planeja até 2025 substituir 100% das frotas de ônibus por ônibus elétricos. O reflexo desse investimento pode ser visto em números, a cidade possui 415.000 habitantes e apenas 25% dessa população possui carro, ou seja, ¾ da população depende exclusivamente de transportes coletivos ou de bicicletas e patinetes.

5. Fortaleza

Hoje Fortaleza é a maior referência no Brasil de mobilidade urbana sustentável. A capital cearense conseguiu reduzir o número de mortes no trânsito nos últimos anos e adotar uma estrutura de transporte sustentável. A cidade criou faixas exclusivas para ônibus, expandiu a rede cicloviária em mais de 240% nos últimos cinco anos e adotou sistemas de bicicletas compartilhadas para incentivar o uso de transportes alternativos ao carro.

O trabalho da cidade na mobilidade é tão elogiado que já recebeu prêmios mundiais! O mais importante deles foi em 2018, quando venceu o prêmio STA (Sustainable Transport Award), concedido todos os anos pelo Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento, por meio de um comitê de especialistas de diversas organizações.

6. Hong Kong

A metrópole mais densamente povoada do planeta (cerca de 6 mil habitantes por metros quadrados) e maior centro de negócios e turismo da Ásia, Hong Kong foi considerada a cidade com melhor sistema de mobilidade do mundo em 2019 pela empresa de consultoria, a Arcadis. A eficiência nos transportes se deve principalmente pela praticidade e competência dos transportes coletivos, apenas 7% dos habitantes da cidade dependem de automóveis para fazer suas viagens diárias e 80% dependem exclusivamente dos transportes públicos.

O meio mais utilizado é o MTR (Mass Transit Railway), uma espécie de trem super veloz que conecta as ilhas mais próximas às áreas mais urbanas de Hong Kong. O MTR ainda é considerado o transporte coletivo mais eficaz do mundo, além da grande malha ferroviária, os trens ainda possuem uma pontualidade de 99,9%!

B2W elege Tuk Tuks Elétricos da Cicloway para entregas nas capitais

B2W elege Tuk Tuks Elétricos da Cicloway para entregas nas capitais

A Cicloway, marca pioneira em eletromobilidade no Brasil há 27 anos está inovando os serviços de entregas com frotas de Tuk Tuks especialmente projetados para operar conforme às necessidades e características do trânsito em nosso país.

A empresa se uniu em parceria com a B2W Digital, dona da Americanas.com, Shoptime e Sou Barato, para produção de Tuk Tuks Elétricos que realizam entregas no chamado “last mile”, isto é, o trajeto final até o cliente.

Um dos objetivos da Cicloway é humanizar os serviços de entrega, mudando a visão que a sociedade tem em relação aos motoboys.

Em comparação aos outros automóveis, as motos causam até oito vezes mais acidentes, preconizando muitas vezes uma conduta irresponsável no trânsito, além da poluição ambiental e sonora gerada.

Visando estabelecer novos paradigmas para o transporte urbano através de entregas seguras e sustentáveis, a Cicloway inovou o “delivery” levando Tuk Tuks Elétricos para as ruas. Até Julho estarão circulando com a B2W mais 90 novos veículos que evitarão a emissão de 3 toneladas de C02 por mês.

Outro fator que deve ser levado em consideração para optar pelo uso de veículos elétricos é sua capacidade. Os diversos modelos de veículos elétricos da empresa podem transportar de 20 a 1800 kgs de carga e de 1 até 6 pessoas.

Os Tuk Tuks modelo Formigão e Saúva tem custo operacional muito inferior a uma motocicleta porém transportam o equivalente a uma pick-up Fiorino.

Além de serem eco friendly os Tuk Tuks Elétricos possuem um visual inédito e chamativo, atraindo todos os olhares por onde passam. Por isso, eles viabilizam uma excelente estratégia para ajudar a divulgar as marcas das empresas, dando maior visibilidade e mostrando que elas se preocupam em tomar atitudes sustentáveis.

Sobre a parceria com a Cicloway

A frota de Tuk Tuks elétricos foi desenvolvida pela Cicloway para a B2W Digital incorporando características construtivas que atendem a todas as necessidades da operação de delivery.

O ajuste técnicos e operacionais foram realizados conjuntamente entre Cicloway e B2W, elencando desde o dimensionamento da rede de recarga, até o treinamento dos condutores, dois pontos fundamentais para que os melhores resultados fossem atingidos.

Os resultados foram surpreendentes confirmando a eficácia dos modelos elétricos Cicloway específicos para operações logísticas e reafirmando o sucesso da parceria entre as empresas.

FCA inicia parceria para implementação da eletromobilidade no Brasil

FCA inicia parceria para implementação da eletromobilidade no Brasil

A Fiat Chrysler Automóveis (FCA), grande grupo automotivo dono de empresas como Ferrari, Fiat e a Jeep, anunciou recentemente uma parceria com a Enel do Brasil, empresa de soluções energéticas, para a implementação do e-Mobility, um projeto que pretende fornecer a estrutura necessária para acolher o crescente movimento da eletromobilidade no país.

Esta é uma das iniciativas globais da FCA para incentivar a mobilidade sustentável e o Brasil é o primeiro país fora da Europa a recebê-la. Além do lançamento de novos veículos elétricos e híbridos em 2021, como o 500e da Fiat e o Compass Hybrid, da Jeep, as marcas vão investir na disseminação de pontos de recarga e oferecer uma nova visão sobre mobilidade.

“O diferencial do e-Mobility é oferecer uma solução integrada. Estamos criando um novo conceito de interação dos usuários dentro da mobilidade e o veículo é peça importante deste processo. É fundamental entendermos o carro como uma plataforma, muito além do meio de transporte, mas também a forma de conectar diferentes soluções que irão melhorar significativamente a experiência do consumidor” ressalta o diretor de Portfólio, Pesquisa e Inteligência Competitiva da FCA, Breno Kamei.

Com o e-Mobility, a vida dos usuários de veículos elétricos pretende ser simplificada, pois eles poderão realizar suas tarefas diárias em um só lugar, com diversas soluções avançadas em eletrificação, carregamento fácil, conectividade e segurança.

Para isso, além da Enel X, a FCA está buscando parcerias de diversos segmentos, produtos e serviços, que se identifiquem com seu propósito de promover o uso dos veículos elétricos e incentivar a sustentabilidade nas cidades.

Jeep Compass Elétrico (Fonte: Divulgação)

O movimento da eletromobilidade

O mercado de veículos elétricos cresce no mundo inteiro e já provoca transformações na indústria automobilística e no transporte das cidades. Em 2020, suas vendas cresceram 43% segundo a consultoria sueca EV-volumes.

A previsão é de que em 2021, três em cada 100 carros vendidos sejam completamente elétricos ou híbridos e, que em 2030, sua participação alcance 25% do mercado, segundo publicação da revista The Economist.

Enquanto as grandes marcas de automóveis como BMW, Audi, Mercedes-Benz, Porsche, Volvo e Ford investem na fabricação e disseminação dos modelos elétricos, diversos países colocam metas de proibição de venda de veículos à combustão. Na Holanda sua venda será proibida a partir de 2025, na Alemanha em 2030, no Reino Unido a partir de 2035 e nos Estados Unidos a data é 2040.

No Brasil, a venda de veículos elétricos bateu recorde no ano passado, com um crescimento de 60% segundo a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE). 

O crescimento da eletromobilidade inicia-se como uma necessidade ambiental, já que o Acordo Climático de Paris coloca como meta diminuir pela metade as emissões de carbono até 2030, para que os grandes desastres naturais sejam evitados. Porém, os motivos vão além. 

Em primeiro lugar, a economia, já que há menos custo com manutenção e abastecimento, e incentivos para o motorista, como isenção de rodízio e reembolso de parte do IPVA, além de maior eficiência e performance do seu motor, que entrega torque máximo instantaneamente e menos desperdício de energia.

"Um motor de combustão é muito pouco eficiente, apenas 30% do combustível é realmente utilizado, o resto é jogado fora em forma de calor. Já em carro elétrico aproveita de 90 a 95% da energia", afirma Egomar Locatelli, professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade de Caxias do Sul.

A micromobilidade como peça chave

Para funcionar, o veículo elétrico é carregado a uma rede de energia, que pode ser tanto de pontos de carregamento (como do projeto e-Mobility), quanto na doméstica. Como a infraestrutura para o modal ainda é precária no Brasil, recomenda-se que os motoristas deixem o automóvel carregando durante à noite, que nem um aparelho celular, para seu uso no dia seguinte. 

Nessa questão, a micromobilidade entra como uma ótima opção de transporte sustentável, econômico e de fácil e rápido carregamento.  

Micromobilidade é um termo usado para se referir à viagens de até 10 km de distância, com o objetivo de realizar tarefas do dia a dia e chegar a compromissos utilizando veículos individuais elétricos ou sem motor que atingem até 25 km/h (como patinetes elétricos, Ninebot S, monociclos elétricos, triciclos, bicicletas, skates, longboards, patins, etc).  

Esse tipo de transporte oferece além dos benefícios descritos acima, uma maior agilidade no trânsito, facilidade para estacionar, ausência de restrição de circulação, além do preço, que é inferior entre os automóveis.

x